7 de março de 2009

e então vem os inconfessáveis. P/E.1 porque já faz um mês e um dia. 06.02.09.

[os olhos mais abertos, ou E. como fascínio projetivo-ortogonal] 

descrição n.1: todos aqueles écrans multicolores aquelas máquinas e fios e mesas aquelas fotos e vídeos e slides todas estas formas e formatos e coisas e tipos de arquivos / disparando fora de qualquer ordem de tempo projetável projéteis de corpos em cores e fragmentos de tempos que não / vivi ou nunca nunca antes vi ou ouvi dobrar em qualquer canto do corpo nem gritar nem gemer e que não obstante aí / não obstante toda aquela nua e carne mutilada exposta aos então olhos mais abertos d’uma adolescência em franco atraso / digo e atesto en retard em 09’ sem aquela ironia de uns anos passados / os humores em vidro estilhaçado como o retard en verre rachado pelo tempo e acaso de Marcel D. através do qual não se pode senão ver a sala como lugar onde / lugar do corpo vítreo em fascinação expondo-se em abertura escandalosamente amadora à todos aquele anos em Projection Room 1971-2006 / os anus as bocetas os seios os tempos e as partes daquelas coisas vivas como mortas das quais sequer tenho memória senão como cores sobrepostas porque não / não eram coisas mas espasmos d'uma projeção espacial / as projeções do próprio espaço e suas n. dimensões como dilatação e contração temporal de um cubo de arquitetura movente faisant ainsi par de courbures insensibles, profondes combinaisons du régulier et de l’irrégulier, des couleurs! les couleurs!] le mouvant spectateur  (E.)/ docile à leur présence invisible / passer de vision en vision  et de grands silences aux murmures de plaisir / à mesure qu'il s'avançait / se reculait et se rapprochait encore / et qu'il errait dans le rayon de l’œuvre / mû par elle et le jouet de la seule admiration — il faut [disait cet homme de Mégare, Eupalinos, arquiteto] que mon temple meuve les hommes comme les meut l’objet aimé.

4 comentários:

P. disse...

Um mes e um dia? dobra ortogonal do tempo? Po, sacanagem. Não era o que dizia sala...

P. disse...

"a sala"

Daniel Jablonski disse...

é que eu devo estar super-interpretando.

Pedro França disse...

não é isso... ela é que era traiçoeira. time trap, não?