24 de julho de 2009

- Moscou para nave-mãe, Moscou para nave-Mãe... nada?

- nada...

- senhor Stalin, digo, Putin, perdemos contato com a nave-Mãe.

20 de julho de 2009

[dez minutos mais tarde]


P - sabe o disco, é de 68, claro...

E - qual disco?

P - White Album.

E - hum, nem sabia.

Au milieu des années 1960, c'est la grande stagnation brejnévienne. Le blocage culturel n'aura jamais été si grand. Et pourtant

Oh, come on
Hu Hey Hu, hey, ah, yeah
yeah, yeah, yeah
I'm back in the USSR
You don't know how lucky you are, boys
Back in the USSR

apparaît à Leningrad la chanson Yellow Submarine des Beatles, et c'est l'explosion de la scène underground du pop et du rock'n'roll.

19 de julho de 2009

le jaune était aussi associé à la tromperie que l'on rencontre dans l'adultère menant à la rupture des liens du mariage. il symbolise donc l’inconstance, la jalousie, les passions dépravés, l’adultère, la culpabilité, la trahison.
[dans l’iconographie, Judas est vêtu de jaune].

17 de julho de 2009

L'Amour Fou est a creer, par-dela l'amour propre, le plaisir de dominer, le plaisir de pecher.

AY 0877 FINNAIR arriving in Paris - CDG from Helsinki at 21:35.

[c'est du Merleau-Ponty que j'ai pris de chez toi, une page ouverte au hasard, l'erotisme, c'est fou, non ?]

14 de julho de 2009

Man, I had a dreadful flight.

5 de julho de 2009

le mouvement agressif, l'insomnie fiévreuse, le pas de course, le saut mortel, vite! la gifle et le coup de poing, bam! um carro em velocidade é mais bonito que a Vitória de samotrace.

[as novíssimas mitologias são].

hoje: para L. a estática e velocidade, afirmação A do cubo de Malevitch na direção de Nemtchínovka, de 15 de julho de 1919 como a máquina, dispositivo, ferramenta, no limite da palavra a-pa-re-lho os limites da língua bam! como a eclosão da casa, do casulo, do projeto, do projeto da casa, do cubo em 3 dimensões

— o gatilho, o motor, a ignição.

e ontem: para L. é por isso que na madrugada antes da viagem rápida e perto ainda assim te mando essa nota, não porque te deva, mas porque quero. Faço como me pediu, penso. E parto ainda para isso. Não gostaria que pensasse que parto para uma viagem de egos e outras coisas ensimesmadas. Mas se pensar, não te impeço. De forma alguma. Aí então diga, é um filho da puta, está me sacaneando, me humilhando, vou quero e posso esquecê-lo. E isso cabe a você pensar. Aqui no Rio ou em qualquer parte, Buenos Aires ou etc. Se quiser, se for preciso, se te fizer bem. Eu já não sei mais. As passagens estão compradas, eu me divido entre medo e entusiasmo, e penso que deveria te mandar um email diverso, que não esse.

notes de voyage.

1. un appel de note permet à Breton, pleinement conscient [sic.] de son effet, de développer son propos et de réfuter par avance toute critique : « cet acte que je dis le plus simple, il est clair que mon intention n'est pas de le recommander entre tous parce qu'il est simple et me chercher querelle à ce propos revient à demander bourgeoisement à tout non-conformiste pourquoi il ne se suicide pas, à tout révolutionnaire pourquoi il ne va pas vivre en URSS », ibid., p. 783.
2. agora sério, personne n'a lu Marcuse! tout le monde inconscient, faisant vraiment n’importe,
todo mundo só, em moscou

morto e Breton também! bam! on encule les flics. bam ! bam !

estudo n.3 - os componentes da aula de filosofia moral na Sorbonne em número de 3.Pedra, guarda-chuva, silêncio. o quê ?

video
[c’est Rudi Dutschke qui l’explique, maman, mais sa pensée a déjà Franchi le Rhin, comme on le sait : alors, il ne restera plus d’espoir que dans les « marginaux », ceux qui ne profitent en rien des surplus de la « société d’abondance » : les peuples sous-développés, les Noirs aux U.S.A, les chômeurs, les travailleurs émigrés, les blancs déclassés (les « outcasts ») et… les étudiants].

estudo n.2 - os componentes da máquina em número de 6.


pai, a única coisa que guardo comigo e olho dia sim dia não com mais ou menos atenção entre todas as minha tralhas de viagem ? que pergunta ! é claro que não faz sentido, mas sabe o que ? faz ! faz ! faz todas aquelas gentes caírem ao chão mortas como coisas caem sobre o betume d’uma praça em Paris. só faz. [o revolver é um aparelho de ação. bam! bam! le sang dans la fontaine, le désespoir, les cris les cris!] você tinha de ter escutado, pai, bam! bam! enquanto isso, em 1968, lia-se : le « sur-moi » s’incarnait jadis dans la famille, dans le père ; nous entrons aujourd’hui dans une « société sans père » : c’est l’appareil (encore un mot-clé de Marcuse) de la production de masse et de l’ « administration des consciences » (la formule est de d’Enzenberger, mais elle est marcusienne) qui fait fonction de sur-moi et il n’y a plus de moi ; plus de désirs individuels, plus d’esprit critique ».

[pai, eu estou sozinho no mundo em Saint Fargeau e você estava lá, impresso uma pedra à mão, ação e reação à la une, madame ! de um jornal da cidade do Rio de Janeiro].

segunda-feira, 26 de maio de 2008 17:26:23 o despertador, o sol, a auto-estrada, a cidade — a noção de cidade, Paris depois das 23 horas!

Que cidade?

[Comunicamos o recebimento de correspondência em referência ao concurso DESENVOLVIMENTO DE ROTEIROS, o qual recebeu o número de controle 256/2008. Informamos ainda, que tão logo seja encerrado o cadastramento dos projetos, a Comissão Técnica de abertura dos envelopes e conferência da documentos procederá a análise para deferimento ou indeferimento da inscrição, conforme descrito no edital.

Atenciosamente,
Secretaria do Audiovisual].